sexta-feira, 25 de julho de 2014

CONHEÇA MELHOR SEU MAIS FIEL AMIGO – (‘Conversando com os Cães’).

"Temos enorme sede de sabedoria, verdades universais, compreensão mais profunda do propósito da vida e orientação sobre como viver uma vida equilibrada, em harmonia com o nosso propósito pessoal e com os ritmos do planeta... Há anos venho ensinando às pessoas que as criaturas que se deitam aos nossos  pés, são seres que podem nos dar as respostas que buscamos. Só precisamos aprender a nos abrir para ouvir o que elas têm a nos dizer". - (Kate Solisti-Mattelon).

 Happy Birthday
(*) Ninguém nasce por Acaso, numa veste 'masculina' ou feminina' num certo dia e hora, como mostra o Mapa Astral pessoal. E o 'Oráculo Angélico' pode revelar através de as características do Anjo da Guarda do dia de seu nascimento, o que escolheu vivenciar no 'campo quântico de possibilidades': expandir a consciência de sua 'criança divina' -, "Deus em nós", o Self imortal. Mas, ao adentrar a veste física, esquecemos a origem divina, a missão e as lições a ser apreendidas no embate das 'forças dos opostos'... NOTE BEM: Embora nossa infância esteja pré-determinada por escolha ou fatores kármicos de vidas passadas, podemos mudar o roteiro na adolescência ou na vida adulta: seja para um 'Bem superior', ou para baixo; para o 'bem' ou o 'mal'... 'Karma' (escolha e ação) é lei universal: "O que o homem semear, isso colherá!" (Campos de Raphael).
“O Supremo Criador revela-se nos sons, seres viventes e sinais inscritos na Natureza”. (Campos de Raphael).

Música suave atrai a presença dos Anjos... Escolha abaixo àquela que aquiete a mente e fale ao seu coração. Pare e a escute... Reabra o portal e ouça sua música durante a leitura:
VÍDEOS EM DESTAQUE:
Processo de Autoconscientização: "Somos Parte de um Todo!"
 'A Crise Atual de Consciência & As Previsões Mayas 2012/2032'.


Conheça Melhor seu Mais Fiel Amigo – (‘Conversando com os Cães’ - Kate Solisti-Mattelon).
Introdução: Quando Telma Fussing, uma sobrinha terapeuta holística formada na Europa, transferiu-se  para Florianópolis, convidei-a para vir a Rio das Ostras. Ela tem o dom de 'ver' o padrão de vidas passadas refletido em certas doenças na vida presente, e assim pode ajudar às pessoas a autoconscientizar-se e a livrar-se conscientemente delas... E estava curioso para conhecer melhor o seu método de cura..

Pediu-me para deitar-me relaxado, enquanto passava sua mão sobre mim, da cabeça até os pés, mas sem me tocar, a cerca de dez centímetros acima do corpo físico, ou seja, na altura do corpo etérico... E quando chegou a altura de meus joelhos, começou a descrever uma série de mestres que me acompanham ao longo de muitas vidas - que aqui não pretendo mencionar. Relatou-me então duas ou mais existências em que, decepcionado pela arbitrariedade dos mais fortes contra os mais fracos, decidi afastar-me do convívio humano e viver isolado no alto de uma montanha,  acompanhado apenas por um cão fiel. 

Revelou-me que, certa ocasião, houve a aproximação sorrateira de um agressor que veio com intenção de matar-me, e meu cão o mordeu na perna e pude então defender-me. Aí entendi por que, desde criança, me sinto tão fortemente atraído por cães e animais... (Campos de Raphael).       

“Amor incondicional, devoção, aceitação, lealdade... É de surpreender que a palavra God [Deus], seja dog [cão] de trás para a frente?" (Kate Solisti-Mattelon).

“Por que o título Conversando com os Cães? Hoje muitas pessoas lêem livros como ‘Conversando com Deus’, ‘Mensageiros do Amanhecer’, ‘Como Comunicar-se com os Anjos’, ‘Reencontro com a Alma’”...

Temos todos uma enorme sede de sabedoria, verdades universais, compreensão mais profunda do propósito da vida e orientação sobre como viver uma vida equilibrada, em harmonia com o nosso propósito pessoal e com os ritmos do planeta. Há anos venho ensinando às pessoas que as criaturas que se deitam aos nossos  pés, dormem enrodilhadas aos pés da nossa cama ou mascam a nossa grama são seres que podem nos dar todas as respostas que buscamos. Só precisamos aprender a nos abrir para ouvir o que elas têm a nos dizer.

Eu optei por começar pelos cães o meu estudo sobre o nosso relacionamento com outras espécies, porque eles têm feito parte da nossa família humana há mais tempo do que qualquer outra espécie. Alguns anos atrás, os cientistas acreditavam que os cães foram domesticados por volta de 14 mil anos atrás. Há pouco tempo, estudos genéticos provaram que os cães talvez vivam em nossa companhia há 130 mil anos...
Durante esse longo período, até hoje, o lobo foi se desenvolvendo até assumir formas incrivelmente diferentes, que variam desde o poodle ‘xícara’, que pesa menos de um quilo, até o malamute do Alasca, que pode pesar até 80 quilos! Por mais incrível que pareça, o DNA dessas raças tão diferentes, assim como de todas as outras, é quase igual ao do lobo.

Em inglês, a palavra cão [dog] se soletra da mesma forma que a palavra Deus [God] de trás para a frente. Para muitos de nós, essa coincidência tem razão de ser. Pense nas qualidades da lealdade canina, da devoção, da aceitação incondicional, do perdão, da paciência. Nossos cães nos ensinam diariamente, por meio do exemplo, o que significa amar incondicionalmente. Talvez se pedirmos, eles nos ensinem como podemos ser assim também.

O tipo de comunicação que ensino está além das limitações físicas impostas pelos instintos, as ondas cerebrais, a capacidade mental e o que os cientistas behavioristas descobriram ou observaram sobre os cães. Não estou interessada em provar que a consciência canina tal como a conheço pode ser mensurada pelos padrões humanos. Este livro é sobre como nos abastecem na Consciência Divina que atua por meio de toda criatura, planta, pedra e porção d’água do nosso planeta...
Acredito que toda espécie e indivíduos expressem a Divina Consciência do seu jeito. Neste livro, ‘Conversando com os Cães’, eu abordo os cães a partir desse meio espiritual compartilhado. Embora possamos nos expressar de maneiras diferentes, todos os seres compartilham a Consciência Divina, que é um dos vários modos pelos quais viabilizamos a comunicação entre espécies.

Não tenho a pretensão de achar que as informações que recebi e apresento sejam válidas para todos os cães e para todas as circunstâncias. Eu fui um veículo para essas informações que passaram pelo meu crivo. Sou uma receptora tão eficiente quanto a minha consciência permite neste momento. Como acontece com grande parte das informações transmitidas entre seres humanos, a prova final da sua utilidade se dá quando a testamos nas nossas próprias experiências de vida.

‘Conversando com os Cães’ foi escrito com o intuito de apresentar ao leitor a percepção espiritual, física e emocional inerente à espécie canina. Os níveis individuais de percepção variam de cão para cão...
Espero que livros como ‘Conversando com os Gatos’ e ‘Conversando como Cavalos’ (todos de minha autoria) possam ajudar as pessoas a se lembrar de como entrar em contato com a Consciência Divina por meio dos cães, gatos, cavalos, canários, camundongos, fuinhas, cobras e elefantes – de toda a Criação, animal, vegetal e mineral – e então compartilhar essas experiências uma vez mais, assim como pretendiam as lendas antigas. Eu continuarei incentivando e apoiando todo tipo de comunicação entre espécies com o intuito de melhorar a compreensão e a ligação entre todos os seres. Para mim isso tem tudo a ver com o Amor.

Os povos indígenas e primitivos sempre respeitaram os animais, encarando-os como professores e agentes de cura. Nos primórdios da raça humana, aprendemos muitas lições e estávamos abertos para receber as dádivas dos nossos companheiros de planeta pertencentes a outras espécies.

Em algum lugar ao longo do caminho, perdemos nossa ligação com eles e com a Mãe Terra. Começamos a trilhar jornadas egocêntricas focadas na ganância e na dominação. Em resultado, grande parte da humanidade hoje se sente desconectada, sem rumo, infeliz, insatisfeita, separada e solitária.

Muitas culturas ainda contam histórias sobre a ligação profunda que uma vez tivemos com o mundo natural e como acabamos nos separando e nos isolando de outras espécies e da própria Mãe Terra. Elas contam a história sobre como os cães preferiram ficar ao lado dos seres humanos quando nós viramos as costas para o resto do mundo natural... Eu recebi essa história desta maneira:
"Houve uma vez, no começo dos tempos, um Conselho formado por todos os seres. Esses seres representavam as diferentes expressões do Criador em todas as suas maravilhosas formas. Em torno da mesa desse Conselho, sentavam-se insetos, pássaros, répteis, mamíferos, marsupiais e seres humanos"...

Cada uma das espécies encarnaria para experimentar a vida na forma, aprender verdades específicas e compartilhar essas experiências com as outras, de modo que pudéssemos todos entender melhor a nós mesmos e ao nosso Criador.

A abelha escolheu a sua forma para poder cooperar com as plantas florescentes. Os elefantes quiseram ser os ouvidos da Mãe Terra e sentir as vibrações na terra e no ar. Os guepardos preferiram explorar e conhecer por experiência própria a graciosidade e a velocidade...
Os seres humanos examinaram as dádivas que tinham recebido e optaram por desenvolver seu intelecto avantajado e a dádiva da linguagem verbal... No início, todo mundo estava conectado. Éramos todos um só. Gostávamos de compartilhar as nossas experiências e novas descobertas da vida no plano da forma.

Então um dia, em nossa busca pela mente, nós, seres humanos, não voltamos mais ao fogo do Conselho. Passamos a ser narcisistas, esquecendo de que tínhamos concordado em voltar ao Conselho para compartilhar com os outros sobre as nossas experiências. E aprofundou-se o abismo entre seres humanos e as outras espécies.

A maior parte dos animais continuou a sua jornada, mas três espécies demoraram-se um pouco mais na reunião do Conselho, entristecidas com a separação cada vez maior entre seres humanos e animais. Num momento decisivo, essas três espécies optaram conscientemente por se unir ao propósito e à evolução dos seres humanos. Elas escolheram deixar o conforto proporcionado pela companhia de outros de sua espécie para ficar ao lado do homem, com a intenção de guiá-lo de volta à Fonte, de volta à conexão sua, de volta ao Amor...
Essas três espécies foram o cão, o gato e o cavalo. A partir desse dia, tudo o que precisamos fazer é parar e prestar atenção nessas três espécies, para que elas nos lembrem de quem realmente somos...  [Extraído de ‘Conversando com os Cães’, p. 12/16. Kate Solisti-Mattelon. Cultrix. Título original: 'Conversation with Dog'].


Click on Angels' e conheça:
   Luz, Amor e Paz! (Campos de Raphael).
[Revisto em 12.03.2015. Rio das Ostras/Rio de Janeiro.  ].