domingo, 25 de agosto de 2013

CARL JUNG - Segundo a Visão de um Brasileiro.

Guardião do Dia. 'YESALEL': "Deus  glorioso acima de todas as coisas". Protege os nascidos em 25/08, 06/11, 18/01, 01/04 e 13/06. Este anjo auxilia nos processos e a obter a proteção dos juízes nas causas justas e guarda contra os perigos de armas brancas, fogo e assaltos. Favorece lutar para manter vivas as tradições e lembranças; de coisas queridas. Amar as viagens e esclarecer quaisquer dúvidas ou coincidências desta vida, através de lembranças de suas encarnações anteriores. Saiba mais. (Clic): Yesalel. 13º Anjo. Categoria 'Querubins'. 

'QUERUBINS': Raziel, é seu  Príncipe-Arcanjo. O Anjo dos Mistérios e Príncipe do Conhecimento. Os Anjos Querubins têm a incumbência de guardar os Registros Sagrados; são Guardiães da Luz e das Estrelas. Quem nasce nas datas regidas pelos Querubins traz dentro de si sentimentos profundos. Sinceros, dificilmente disfarçam quando não gostam das pessoas, fato ou local. Os artistas da Renascença passaram a representa-los como anjinhos arteiros, armados de arco e flechas, inspirados em Eros-Cupido, o deus do Amor...

"Ninguém nasce para sofrer; nasce para aprender".(Campos de Raphael)

ESPIRITUALIDADE & ANJOS. (Clic):
Ouça e veja. Imperdível: ‘Dancing in the Moonlight’.

“Eu sei”: Anjos Existem. ‘Amor de Anjos’.
Vozes Angélicas: Cantores da Natureza.



 Carl Jung – Visão de um Psicólogo Brasileiro
“Nenhum homem é uma ilha, fechada sobre si; todos são parte de um  continente, uma parcela da terra principal... A morte de qualquer homem diminui-me, porque estou englobado na humanidade. Não perguntes, por isso jamais  por quem os sinos dobram; dobram por ti”. ['O Pensamento Vivo de Jung’, p. 68].
“Em Jung, tanto suas descobertas como a maneira como chegou a elas são notáveis: manter afeto e pensamento em estreita relação; centrar-se no presente e intuir possibilidades de desenvolvimento para o futuro; buscar o conhecimento antigo sobre os estados da alma; viver no século XX o processo de auto-realização”.
Suas observações sobre a unilateralidade da consciência e do pensamento são, ao mesmo tempo, atualíssimas e milenares, tendo antecipado o já corrente encontro entre a física quântica e velhos preceitos do taoísmo e outros sistemas conceituais do Oriente.

Reintegrou ao mundo religioso ocidental o esoterismo cristão, abandonado desde a alquimia; buscou as direções para a redescoberta da individualidade entre os determinantes psicológicos sociais e até mesmo políticos.

O seu livro 'Símbolos de Transformação' é um momento grandioso, em que se destaca de outra corrente da psicologia contemporânea (a psicanálise) para seguir um novo caminho. E o seu sentido de síntese é, talvez, o traço mais brilhante de seu intelecto... 


“Quando não é perturbada, a regressão não fica na mãe; vai mais além, para alcançar, poderíamos dizer, um ‘eterno feminino’ pré-natal, o mundo original das possibilidades arquetípicas no qual ‘rodeado das imagens de toda criatura’, a criança divina espera cochilando tornar-se consciente”. -  [Cf. 'O Pensamento Vivo de Jung’, p. 66].
"Ler Jung é mergulhar num imenso lago, de águas plácidas e profundas; passar pelos rigores das geleiras de inverno e viver a bem-aventurança do verão. Jung não quer que nos tornemos filhos devorados de leões, fazendo, em nossas vidas estéreis e monótonas, Ciência estéril"...
Quer que, como ele fez na sua, busquemos além em nós mesmos. Além de tudo o que nos dizem que é certo e errado, útil ou inútil, lá perto do ponto em que pensamento e sentimento se harmonizam, para orientar nossas vidas. Na História da Antropologia, na Arte, na Ciência, na Filosofia, na Religião, quer que busquemos o fio condutor para o Todo. Cada faceta contém também a Verdade; cada um reflete o universo à sua maneira...

Basta que voltemos nossa atenção para esse mundo das imagens arquetípicas, as fontes de energia interior e coletiva que atuam em cada um de nós, como atuaram em nossos antepassados e atuarão, enriquecidas por nossa contribuição, em nossos descendentes – e vivamos a vida.
”Se todos os que procuram nas drogas ou no álcool, em todas as formas de dependência ou no abuso do poder, puderem se voltar por um instante para a direção que aponta sua obra, vislumbrarão o que Jung dedicou sua vida: buscar uma maneira de viver a imensa energia que temos disponível, mas na maior parte das vezes adormecida no inconsciente”. (Arnaldo Omair Bussoli Jr.). [Cf. ‘O Pensamento Vivo de Jung’, p. 53/56. Martin Claret Editores. 1986].
 Luz, Amor e Paz! (Campos de Raphael).