sábado, 16 de junho de 2012

CARL JUNG & O SELF: Sonho-Visão do Si-Mesmo. C.G.Jung - ( Portais da Consciência).

Seja Bem-vindo! Welcome! - Bienvenido!
A mensagem essencial de Jung não pode ser vista como fenômeno contemporâneo, isolado... e sim como a culminação de uma tradição espiritual de grande antiguidade e relevância atemporal. Em suma, há de se tomar as percepções de Jung como uma das últimas e maiores manifestações da corrente de espiritualidade alternativa originária dos gnósticos”... (Stephan A. Hoeller - 'The Gnostic Jung and the Seven Sermons to the Dead'). [Cf. 'A Gnose de Jung', p. 70 - "Jung e o Novo Gnosticismo". Cultrix. 1991]. 

 Anjos da Guarda: Click e veja o que o seu revela!


(*) Acorde! 'Caminhante das Estrelas'. "Antes de reencarnar na Terra, você fez um plano do que pretendia alcançar. Dentro desse plano, fez contratos com todas as pessoas de sua vida: um contrato com seus pais, irmãos, irmãs, parentes e amigos. Eles o ajudam a passar por tudo aquilo que você planejou realizar nesta vida". (Dolores Cannon. Hipnoterapeuta)... Essas palavras reafirmam o que já temos dito: antes de nascer escolhemos as lições de vida e relacionamentos com aqueles interligados a nós por laços kármicos. Ninguém nasce num certo dia, circunstância ou família ao Acaso. Tudo é parte do aprendizado constelado pelo nosso ser interior imortal ('Self'). E assim como o mapa astral indica influências planetárias do dia e hora em que você nasceu, as características do Anjo do Guarda que o acompanha desde o nascimento numa veste 'feminina' ou 'masculina', também revelam potencialidades, profissões e a personalidade que escolheu vivenciar. Por isso, cada existência é uma oportunidade de expansão da sua Consciência Divina... (Campos de Raphael).

Escolha abaixo uma música que aquiete a mente e 'fale' ao seu coração...
E a ouça durante sua leitura: 

  
Carl Jung & O Self: O Sonho-Visão do Si-Mesmo - (C.G. Jung).
Introito: "Teorias são impermanentes; elas vem e vão"... O que me atrai em Carl Jung é o expressar de suas experiências pessoais, que possibilitam compreender fatos, vivências 'interiores' e acontecimentos 'exteriores'. Na verdade, tudo está interligado e constelado pelo nosso 'Self', ou Si-mesmo... (Campos de Raphael).
 “Eu já sonhara certa vez sobre as relações entre o Si-Mesmo ['Self'] e o eu. Nesse sonho de outrora eu caminhava por um atalho; atravessava uma região escarpada, o sol brilhava e tinha sob os olhos, à minha volta, um vasto panorama. Aproximei-me de uma capelinha, à beira do caminho. A porta estava entreaberta e entrei”...

Para meu grande espanto não havia nenhuma estátua da Virgem, nem crucifixo sobre o altar, mas simplesmente um arranjo floral magnífico. Diante do altar, no chão vi, voltado para mim, um iogue na posição de lótus, profundamente recolhido.

Olhando-o de perto vi que ele tinha o meu rosto; fiquei estupefacto e acordei, pensando "Ah! Eis aquele que me medita. Ele sonha e esse sonho sou eu”. E sabia que quando ele despertasse eu não mais existiria...
 “Tive esse sonho depois de minha doença [Experiência de Quase-Morte] em 1944. É uma parábola: meu Si-Mesmo entra em meditação, por assim dizer, como um iogue e medita sobre minha forma terrestre.

Poder-se-ia também dizer: ele toma a forma humana para vir à existência tridimensional, como alguém que veste um equipamento de mergulhador para lançar-se no mar [ou a veste espacial para lançar-se no Espaço].

O Si-Mesmo ['Self'], renunciando à existência no além, assume uma atitude religiosa, como indica a capela na imagem do sonho. Na forma terrestre pode fazer as experiências no mundo tridimensional e, com a consciência acrescida, progredir no sentido de sua realização.

A personagem do iogue representava, de algum modo, minha totalidade pré-natal inconsciente e o longínquo Oriente - como acontece frequentemente nos sonhos - um estado psíquico oposto à consciência e que nos é estranho. Como lanterna mágica, a meditação do iogue 'projeta' minha realidade empírica...

 Em geral, aprendemos esta conexão causal em sentido inverso: descobrimos nas produções do inconsciente, símbolos de mandalas, isto é, figuras circulares ou quaternidades que exprimem a totalidade e, quando queremos exprimir a totalidade, utilizamos tais figuras.

Nossa base é a consciência-eu, um campo numinoso (*) que constitui nosso mundo e que está centrado num ponto focal: o eu...
(*) Numinoso: Jung utiliza o termo para descrever o inefável, o misterioso e o assustador, bem como o 'completamente outro' na experiência divina do ser humano... A numinosidade está intimamente relacionada ao arquétipo; as imagens e os símbolos arquetípicos é que atuam de modo assustador sobre a consciência e o ego, provocando, ao mesmo tempo, uma expansão da consciência... ['Léxico dos Conceitos Junguianos', p. 90. Edições Loyola]. 

 “A partir deste ponto iluminado nosso olhar mergulha num mundo obscuro e enigmático, e não saberíamos dizer em que medida os traços e as sombras que ali discernimos são criação de nossa consciência, ou em que proporção elas possuem uma realidade própria. Uma observação superficial dá-se por satisfeita admitindo que a consciência cria estas sombras. Mas se olharmos mais de perto perceberemos que as imagens inconscientes não são em geral produtos do consciente.

Os sonhos tendem à inversão total das conexões entre a consciência do eu e o inconsciente, fazendo do inconsciente o criador da pessoa empírica. A inversão indica que, na opinião do “outro lado de nós”, nossa existência inconsciente é a existência real e que o nosso mundo consciente é uma espécie de ilusão ou uma realidade aparente forjada em vista de um certo objetivo, à semelhança do sonho que parece ser real quando nele estamos mergulhados...
 Está claro que esta visão das coisas assemelha-se com a concepção do mundo oriental, na medida em que este crê na Maya [‘Ilusão’, no conceito budista]. (*Ver também o conhecido sonho da borboleta de Chuang-tse)... É indubitável que o Oriente atribuiu ao Si-Mesmo um valor divino e segundo a velha concepção do cristianismo o autoconhecimento é o caminho que conduz à cognitio Dei”...

Para o homem a questão decisiva é esta: você se refere ou não ao infinito? Tal é o critério de sua vida. Se eu sei que o ilimitado é essencial, então não me deixo prender a futilidades e a coisas que não são fundamentais. Se o ignoro, insisto que o mundo reconheça em mim certo valor, por esta ou aquela qualidade que considero propriedade pessoal: “meus dons” ou “minha beleza”...

 Quanto mais o homem acentua uma falsa posse, menos pode sentir o essencial e tanto mais insatisfatória lhe parecerá a vida. Sente-se limitado porque suas intenções são cerceadas e disso resulta inveja e ciúme. Se compreendermos e sentirmos que já nesta vida estamos relacionados com o infinito, os desejos e atitudes se modificam... só valemos pelo essencial e se não acedemos a ele a vida foi desperdiçada”...
[Cf. ‘Memórias’ (*), p. 280/81. C.G. Jung. Nova Fronteira. (*) Título original: 'Memories, Dreams, Reflections'. 1961, 1962 e 1963 by Random House].


AUTOCONSCIENTIZAÇÃO: PROCESSOS DE CURA, SAÚDE & MEIO AMBIENTE 

 Dicas de Raphael & 'Anjos de Cura':
  
'Bicos de papagaio', dores de coluna, articulações, pedras nos rins? Podem provir da carência de magnésio no seu organismo! Veja o segredo médico revelado por este experiente Clínico, Dr. Luiz Moura:

  Que o Senhor da Vida e seus Anjos:
"Sejam lâmpadas para os pés à iluminar vosso Caminho!"

Click nos Anjinhos, e conheça:
 Click nos Anjinhos & Veja também;
 "A Divindade em mim, saúda a Divindade dentro de você!"
Luz, Amor e Paz! (Campos de Raphael).
[Revisto e reeditado com novas imagens  em 19 de Outubro de 2015. Rio das Ostras/R.J.  ].