sexta-feira, 23 de setembro de 2011

ENCONTRE COM SEU ANJO GUARDIÃO – (Stellarius).

"Assim como é em cima, é embaixo"... O universo exterior e o microcosmo humano formam um só Todo: "Somos todos UM!" (Clic): Astrologia Real (Quiroga).
V. já notou como o tempo, a manhã ensolarada ou chuvosa, influenciam a disposição mental? Sabia que as fases da lua afetam não só o fluxo das marés como o fluxo de energias no corpo humano?!
“A lua afeta a natureza e todas as coisas vivas”. (Clic): Meteorologia e as Fases da Lua.
Exemplos: (Clic) Influências astrológicas e a lua cheia. Clic tb: Lua Cheia. Festa de Wesak.

Anjo Guardião: V. ainda não conhece o seu?!
(Clic): "Descubra seu anjo pelo mês de nascimento".
E veja tb (Clic): portaldeanjos.blogspot.com/

'COMO NOS ENCONTRARMOS COM NOSSO ANJO DA GUARDA' - (Stellarius).

“O anjo chega quando se espera por ele, quando ansiamos por recebê-lo. É só sentir sua proximidade, pois ele está sempre ali. Basta permitir que ele entre em nossas vidas, dando-lhe as boas-vindas, deixar que ele nos abrace”...

Mas o anjo também bate à nossa porta muitas vezes, e não ouvimos ou não o deixamos entrar, ofuscados pelo mundo material em que só parece existir aquilo que vemos, não restando espaço para mais nada.

Na verdade, somos muito mais do que parecemos, e o início do contato com nosso anjo assinala o começo da descoberta das diversas possibilidades e faces de que dispomos para viver mais íntegros e mais plenos.

Nossa existência funciona em quatro planos: físico, mental, emocional e espiritual. É importante que esses aspectos funcionem de forma equilibrada e harmônica, para atingirmos o estado de plenitude que almejamos. Uma maneira de alcançarmos essa harmonia é trabalhar com nosso anjo pessoal.
Nosso Anjo Custódio é o guia interior, aquele que nos orienta no sentido do mais conveniente para o nosso desenvolvimento individual e ajuda-nos a seguir pelo próprio caminho evolutivo, do qual às vezes nos desviamos por não escutar esse guia interior.

O Anjo Guardião comunica-se muitas vezes conosco através da intuição. São os “palpites” que de vez em quando nos fazem decidir entre isto ou aquilo, embora nem sempre façamos caso deles, o que em geral nos arrependemos logo depois. “Ai! Se eu tivesse seguido aquela primeira intuição... Mas, depois refleti e mudei de idéia”...
Essa dita reflexão [intelectiva] afasta-nos muitas vezes de nosso verdadeiro caminho, é um modelo de pensamento lógico e racional que nem sempre nos leva à conclusão certa na circunstância do momento, e pode até ser armadilha para nos distrair do verdadeiro caminho. Por isso, deve-se estar atento: nem tudo o que nos parece bom o é na realidade. “Nem tudo que reluz é ouro”.

“Usemos nossa intuição, peçamos conselho ao nosso anjo, e a resposta certa chegará. Abra o olho! Às vezes a resposta certa não é a que mais nos agrada para o momento ou circunstância, mas com certeza o tempo nos mostrará a verdade”... [Ω].
[Cf. ‘Oráculo dos Anjos’, p. 58/60. Stellarius. Nova Era].